top of page
719f1cbc-471d-46f8-a24c-0354d79cb63b.jpg

Cianorte e a política jurássica, onde o povo gosta de fantasias e tem medo!

Parece o título deste artigo um pouco agressivo, mais é a pura verdade.


Por que você vota em um candidato e não em outro? O voto pode ter mais a ver com medo do adversário do que com amor próprio e o sentido político. Um exemplo: Vota-se num candidato de direita mais pelo temor do que os de esquerda possam fazer no poder. E vice-versa.


As conversas de bastidores, bares, nas ruas, padarias, e em outros encontros em nossa sociedade, quando passam para o lado da politica mostram a paixão do eleitor por seus candidatos para as próximas eleições municipais.


Ao longo dos anos, essa paixão por um ou outro candidato diminuiu, mas pouco.


Por outro lado, a rejeição pelos políticos atuais em exercício aumentou consideravelmente nas rodas de conversas em Cianorte. E assim vivemos esse estranho fenômeno que leva as pessoas a serem mais fiéis a um partido, apesar de gostar cada vez menos dele. Medo, essa é a resposta.


Assim, pode ser que um papel fundamental de um candidato que deseje vencer as eleições municipais em Cianorte seja não o de aumentar a paixão dos seus fiéis eleitores – e sim o de criar um medo, ainda que ilusório, em relação a seu opositor.


O outro vai acabar com tal programa. O outro vai nos levar à falência. O outro vai aumentar impostos. O outro vai trabalhar somente para si. O outro isso e aquilo e muito mimimi... Isso é mais convincente do que “eu vou fazer algo bom”.


Na verdade, cianortenses, temos apenas dois grupos aqui, e estes representam ou deveriam representar seus eleitores, de teses, são o grupo de quem deseja entrar no poder público local e o grupo de quem já esta no poder e não deseja agora sair, pois poder é bom, é muito bom!! Mais as coisas em política mudam e rapidamente, principalmente quando o eleitor tem medo! Vejam um exemplo de mudanças na política, quem diria no final dos anos 1980 que o PSDB acabaria sendo o partido da centro-direita conservadora brasileira?


A classe social de Cianorte não tem meio termo, em nossa sociedade você tem poder aquisito ou não tem, é simples assim, se dividirmos a cidade em apenas duas áreas geográficas, teremos a zona central e alguns poucos pontos próximos onde se instala a população mais conservadora e influente da sociedade, estes os considerados "ricos" que adoram candidatos que não gostam de gente como a gente, gostam de funcionários.


De outro extremo temos as regiões das periferias e os bairros, incluindo ai o Cianortinho onde temos os cianortenses "pés vermeio", o povo, o nosso sangue, quem faz a nossa história, quem constrói nossa economia, quem vive nossas famílias dia a dia com luta e garra para nosso sustento e nossa missão de sobrevivermos diariamente por uma Cianorte, honesta, próspera e honrada, este é o povo que forma o coração, o órgão principal para o funcionamento dessa nossa terra e de nossos filhos... E é aqui nestas áreas da cidade, que o povo prefere votar em candidato que gosta de gente como a gente!! De quem nasceu neste solo.


Em 2020, quando elegemos os atuais vereadores e prefeito, muitos acharam que o discurso da mudança tinha vencido o medo. Realmente, a ultima campanha enfrentou o medo gerado pelos atuais políticos no poder: o que seria de Cianorte sem a tal mudança? “Eu tenho medo”, muitos alegaram isso.... Hoje... pois é, também não esta bom para mim, e pra você? Então nada mudou!


O que importa aqui cianortenses, é que ao longo dos anos a nossa democracia política e social vêm sofrendo com um tiroteio infindável e macabro entre seus principais atores políticos. A ponto de parecer que todos têm razão para termos medo de todos. A ponto de tirar de qualquer um a vontade de crermos na nossa política munici