Autismo: Lei exige implantação de Centro de Referência. A sua cidade tem?

Aida Franco de Lima – Professora universitária. Dr.ª e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP), Jornalista e Especialista em Educação Patrimonial (UEPG - PR); Guia Especializada em Atrativos Turísticos Naturais (SENAC - EMBRATUR);Técnica em Vestuário (CEEP - PR); escritora (Série: Guardador de Palavras da Gabi).



Reunião entre prefeito Franzato, secretária de saúde Rebeca Galacci, vereador Tuíka e professora Ana Floripes podem definir novos rumos às pessoas com Espectro de Síndrome Autista - TEA em Cianorte e região (Foto: divulgação)


Vocês lembram que há algumas décadas as pessoas que não eram consideradas ‘normais’ tinham um destino certo? “Sanatórios”. E se ficavam em casa, eram completamente dopadas, para que ficassem ‘calmas’?


Se hoje Cianorte tem um CAPSi- Centro de Centros de Atenção Psicossocial infantojuvenil, é porque a professora Ana Floripes deu voz a quem sempre foi calado. Através de sua mobilização inicial a Justiça obrigou a Prefeitura de Cianorte a criar o CAPSi, no ano de 2016, sob o risco de pagar multa diária caso não cumprisse a determinação. Naquele tempo, luta de mais de 16 anos, todos os vereadores tomaram conhecimento da situação, mas a maioria não se interessou pela causa. Agora, com o novo prefeito eleito e com a renovação da Câmara dos Vereadores, uma nova batalha começou e com novas perspectivas. “Após muita luta, conseguimos atingir um de nossos objetivos: a indicação, na Câmara Municipal, de um Centro de Referência para atender pessoas com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista - TEA e seus familiares. Na terça-feira, 09 de fevereiro, temos uma reunião agendada com o prefeito Marco Franzato e a Secretária Municipal de Saúde, Rebeca Galacci”, anima-se Ana. Estará presente na reunião o vereador Vantuir Carlos da Silva, Tuíka, que protocolou a Indicação no último dia 01. Em seguida, Ana realizará uma reunião com os pais, que estão ansiosos pelos resultados da mesma.


Muitas crianças e adultos não tiveram essa perspectiva que hoje surge no cenário local e deve contemplar as cidades pequenas que dependem de Cianorte em relação aos tratamentos médicos. Incontáveis dessas vítimas do descaso tiraram as próprias vidas ou morreram precocemente, sem que nunca tivessem recebido os cuidados adequados. Ana e todos que apoiam sua luta querem escrever uma nova história, mas sem jamais esquecer aquelas páginas importantes de nossa história recente.


Os transtornos mentais de forma generalizada são complexos. Agora é necessário fazer algo para beneficiar os estudantes com TEA - Transtorno do Espectro Autista e seus familiares. O CAPSi atende as complexidades e tem um número muito significativo de crianças com autismo. Os profissionais fazem um belo trabalho. Mas o cenário é diferente. A bandeira já está fixada. Há vários municípios que os atendimentos estão adiantados e Cianorte vai caminhar também com relação a esse assunto. O trabalho já está avançado em Umuarama, Maringá, Campo Mourão, Paranavaí. Centro de Referência é direito garantido pela Lei 12.764/2012, conhecida como Lei Berenice Piana.


“Precisamos de um Centro de Referência para dar conta de atender essas necessidades. O TEA, tem muitos espectros, não é uma área simples, principalmente com relação a diagnósticos. Precisamos de um Centro Especializado para iniciar o diagnóstico precoce. O certo é fazer até os dois anos de vida, tem estudantes que são realizados os diagnósticos com 14 ou 15 anos, fora aquela parcela que nem foi descoberta ainda. E o sofrimento é muito grande para família, para eles e para as pessoas que não compreendem o que acontece”, alerta Ana.