top of page
719f1cbc-471d-46f8-a24c-0354d79cb63b.jpg

As organizações estão preparadas para a nova ordem social, econômica e política, em Tempos Líquidos*

Nos conteúdos anteriores, abordamos a possibilidade de incompreensão por parte dos gestores em relação à aplicação do Marketing e da Comunicação nas decisões organizacionais, bem como a teoria da "Miopia de Marketing" (Levitt, 1960), na qual os gestores concentram as suas estratégias nos seus produtos/serviços em detrimento das necessidades reais das pessoas.


Neste cenário, fica claro que as pessoas devem ser o foco de qualquer estratégia, pois são esses "CLIENTES" que garantirão o objetivo desejado de qualquer tipo de organização.


Dessa forma, apresentamos, nesta reflexão, a necessidade de compreender o que as pessoas pensam atualmente, qual a compreensão de sociedade e valores que possuem, para podermos, de fato, tomar uma decisão estratégica assertiva de Marketing e Comunicação.


Sendo assim, é importante incluirmos nesse conteúdo Zygmunt Bauman, filósofo e sociólogo polonês que faleceu em 2017, que nos deixou uma das mais relevantes reflexões sobre as relações sociais, econômicas e de produção, e como se tornaram frágeis, fugazes e maleáveis, como os líquidos, no que chamou de "Modernidade líquida".


A partir do século XX, percebe-se uma mudança na estrutura social, passando de um modelo de produção para uma sociedade do consumo, caracterizada por uma intensa produção de mercadorias e bens, aliada a uma rápida evolução tecnológica, o que causou uma ruptura nos padrões sociais, econômicos e políticos existentes, bem como uma alteração nas ideologias e nos paradigmas existentes.


Segundo Bauman, a revolução do consumo é caracterizada por um aumento constante de desejos, com o objetivo de garantir a segurança d