Após tragédia na Bahia, chuvas intensas rumam ao Sudeste; 124 cidades estão em emergência em MG

Nos próximos dias, o corredor de umidade deverá se deslocar para a grande Belo Horizonte e Rio de Janeiro

Ubaíra foi um dos municípios baianos mais atingidos pelos temporais que obrigaram 91.806 pessoas a deixar suas casas no estado - Fernando Vivas / governo da Bahia/ AFP


Gabriela Moncau

Brasil de Fato | São Paulo (SP)


Os fortes temporais que alagaram cidades inteiras no sul da Bahia ao longo deste último mês de 2021, com 25 mortes e 643 mil pessoas afetadas, estão se deslocando para as regiões do Centro e, principalmente, Sudeste do país. A situação deve se agravar nessas áreas nos próximos dias.


O rastro do corredor de umidade já deixa marcas nos territórios de Tocantins, Goiás e mais de uma centena de municípios no norte de Minas Gerais, tais como Mato Verde, Rio Pardo de Minas e Porteirinha.


Em Tocantins, ao menos 20 municípios estão em monitoramento pela Defesa Civil frente ao risco de transbordamento de rios. Comunidades quilombolas do interior de Goiás também sofrem com a chuva e, segundo o governo do estado goiano, 400 famílias de Cavalcante foram atingidas.


:: Entenda o que está causando as chuvas que deixaram o sul da Bahia embaixo d'água ::


As imagens de Salinas, uma das cidades mineiras mais afetadas, se espalharam pelas redes sociais, mostrando ruas que se transformaram em rios e salvamentos feitos de cima de jet ski e retroescavadeiras.

Atuando na força-tarefa em Salinas, a Tenente Coronel Gracielle, coordenadora adjunta estadual da Defesa Civil em MG, atualizou os dados do estado.


Desde outubro, seis pessoas morreram em consequência dos temporais em Minas Gerais. Até o momento, 124 municípios mineiros estão em situação de emergência e 14.020 pessoas tiveram de deixar suas casas.


As chuvas e os riscos no próximo período